Consorzio Vino Chianti Desembarca em São Paulo

Produtores da região de Chianti desembarcaram em São Paulo para reuniões com importadores brasileiros, além de realizarem degustações para profissionais do setor. O Consorzio Vino Chianti das vinícolas da Itália demostra confiança no mercado brasileiro. 22-10-2018

A Área de Produção do Vino Chianti

A área de produção inicial definida pelo Decreto Ministerial de 1932 foi alterada várias vezes. primeiro pelo Decreto do Presidente da República em 09 de agosto de 1967, com o qual foram incluídos outros territórios vizinhos, situados nas províncias de Arezzo, Florença, Pisa, Pistoia e Siena. 

Atualmente 3.000 produtores que envolvem mais de 15.500 hectares de vinhedos que produzem 800.000 hectolitros de Chianti das várias regiões e tipos, são protegidos pelo Consórcio, que, por sua representatividade, obteve o reconhecimento “ERGA OMNES” com a atribuição de realizar as funções de proteção, promoção, valorização, informação ao consumidor e cuidados gerais dos interesses relativos à DOCG “Chianti”.

A Origem do Consorzio Vino Chianti

O Consorzio Vino Chianti foi constituído em 1927 por iniciativa de um grupo de viticultores das províncias de Florença, Siena, Arezzo e Pistoia. Em 1984, graças ao trabalho habilidoso dos produtores de vinho e à ativa indústria colateral do setor, foram criadas as condições para que o vinho Chianti obtivesse o reconhecimento como vinho Chianti DOCG, pelo Decreto do Presidente da República em 02 de Julho de 1984.

A Toscana é a Terra do Vinho Chianti

Arezzo, Florença, Pisa, Pistoia, Prato e Siena são províncias que representam os locais de excelência de produção, cujos solos cultivados com vinhas destinadas à produção de vinho Chianti são delimitados pelo regulamento de produção e pela lei. Este ambiente único, atravessado por suaves colinas com enormes socalcos, por vales e rios, oferece vinhedos finos, símbolo da paisagem toscana. Hoje, as antigas adegas tornaram-se arquiteturas a serem visitadas e locais de turismo e degustação.

A área geográfica definida, apropriada para a produção do vinho Chianti DOCG, encontra-se na parte central da região da Toscana, e afeta parcialmente as áreas de colinas, junto à cadeia montanhosa dos Apeninos, das províncias de Arezzo, Florença, Pistoia, Pisa, Prato e Siena.

O Chianti nasce em uma área geologicamente bastante homogênea, localizada ao sul dos Apeninos e entre as latitudes que compreendem Florença e Siena. Uma faixa começa ao norte, a partir da área de Mugello no sentido de Rufina e Pontassieve, continua ao longo das colinas do Chianti até chegar a abranger o território do município de Cetona. A outra se origina em Montalbano e une-se à Val di Pesa estendendo-se à San Gimignano e Montalcino. O núcleo central é rodeado por ramificações ligadas aos sistemas de colinas de Arezzo e Siena, Pistoia, Pisa e Prato. Estas faixas extremas e periféricas são ligadas entre si por barreiras transversais. Em particular, o território do Chianti, a partir de um ponto de vista geológico, pela sua vastidão, pode ser dividido em quatro sistemas, em ordem de idade de formação decrescente: dorsais pré-Apeninos mio-eocénicos, as colinas do Plioceno, a bacia intermontana do Valdarno Superiore com os depósitos do Pleistoceno, e os depósitos aluviais. A altitude dos terrenos de colinas cultivados por vinhedos é compreendida em média entre 200 e 400 metros acima do nível do mar com disposição e orientação adequadas.

O clima da região se enquadra no clima geral assim chamado de colinas internas daToscana. O clima da região pode ser definido como “úmido” para “subúmido”, com a deficiência de água no verão. A precipitação média anual é de 867 mm com um mínimo de 817 mm e um máximo de 932 mm. A precipitação máxima é registrada, em regra, no mês de novembro com 121 mm e a mínima em julho, com 32 mm. O mês de agosto é o mais quente, com temperaturas médias de mais de 23°C, enquanto o mês mais frio é geralmente janeiro, com temperaturas médias em torno de 5°C.

O vinho Chianti pode ser produzido em toda a área do Chianti, incluindo as áreas não identificadas na legenda e aqui reproduzidas em cinza claro.

As Origens e Castas

O Chianti DOCG é atualmente um vinho de cor vermelho rubi vívido, tendendo a granada com o envelhecimento. De sabor harmonioso, seco, sápido, ligeiramente tânico, de aroma intensamente vínico, por vezes com notas de violetas. O Chianti pode ser consumido, dependendo do seu tipo, como vinho jovem, fresco e agradável ao paladar, mas é igualmente conhecido, em algumas regiões, por sua vocação para um envelhecimento médio e longo, pelo que matura cor, aroma e sabor inconfundíveis. Além disso, a pisa na vinha de forma delicada, a fermentação na temperatura certa, a evolução em espécies de madeira de prestígio, o refinamento em garrafa de vidro, agregam personalidade ao vinho: mais agradável e redondo no sabor, mais complexo nos aromas, mais intenso na cor.

Na vasta área de produção do Chianti estão presentes, há séculos, as mesmas variedades de uvas: Sangiovese em primeiro lugar, para a qual podem ser adicionadas, em menor medida, também outras, mas sempre cultivadas na região.

A combinação de castas e o caráter, o corpo e os aromas que os solos, altitudes e diferentes microclimas transmitem para as uvas, dão vida ao Vinho Chianti com Denominação de Origem Controlada e Garantida. O Consorzio Vino Chianti tem assegurado a sua qualidade desde 1927.

A Sangiovese

Grandes e pequenas fileiras de vinhas, de cores que se alternam com a mudança das estações em harmonia com as demais cores da paisagem, são o resultado de um trabalho antigo. Os cachos escuros da variedade Sangiovese, a casta que dá ao vinho Chianti a sua personalidade inconfundível. A investigação e a redescoberta de clones antigos permitem, na atualidade, a conexão com um grande passado que retorna e é oferecido para aqueles que amam o vinho.

Além da Sangiovese que é a principal variedade de uva da Denominação vinho Chianti DOCG (mínimo 70%), há também outras importantes castas históricas que contribuem para a produção do Chianti (identificadas pelo Barão Ricasoli em Brolio aos princípios) como Canaiolo, Colorino, Malvasia Toscana e Trebbiano. Durante o final da segunda metade do século passado foram adicionadas às variedades tradicionais acima mencionadas uma série de novas castas que têm contribuído para melhorar a qualidade do vinho Chianti DOCG, tais como Cabernet, Merlot e outras.

A Galeria de Fotos