Captura de Tela 2022-10-18 às 17.43.55.png

Região dos Vinhos Verdes com Ações no Brasil

Nova presidente na Comissão, lançamentos de vinhos, safras, enoturismo em crescimento e famosos pet-náts marcam a presença dos vinhos da região portuguesa no mercado brasileiro.

O Brasil é o terceiro maior mercado que importa e consome Vinho Verde. Para estreitar cada vez mais a relação com clientes (importadores, distribuidores e food service), além do consumidor final, vários produtores e um porta voz da Comissão Vitivinícola da Regional dos Vinhos Verdes (CVRVV), estiveram presentes em várias ações no Brasil, incluindo stand na ProWine SP, Masterclass e Grandes Provas para imprensa e profissionais da área em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

 

“O Brasil é muito importante para nós, temos um carinho especial pelo país e por seus profissionais que estão sempre ávidos a conhecerem sobre nossos vinhos, tanto que sempre priorizamos por uma agenda repleta de atividades em formação e degustações, provas quando temos oportunidade de estarmos presente no Brasil”, diz um dos porta vozes da CVRVV.

Captura de Tela 2022-10-18 às 14.17.56.png
Captura de Tela 2022-10-18 às 14.18.31.png

Para essa edição, a CVRVV em parceria com várias vinícolas da região, apresentarão todas as novidades e lançamentos, incluindo vinhos verdes, rosés, brancos e tintos. Uma vez que a região não produz somente vinho verde, mas sim todos os estilos, inclusive pet-náts e aguardente.

 

A CVRVV também tem outra novidade: eleita por unanimidade, Dora Simões assume o cargo de presidente da Comissão da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV). O mandato vai até 2025 podendo ser reeleita.

Grande notícia, uma vez que Dora é a primeira mulher a ocupar o cargo na Comissão. Inclusive, a CVRVV conta com outra mulher na liderança da Região, trata-se da executiva Celeste do Patrocínio que assume a Presidência do Conselho Geral. Em seus anos de história, a CVRVV é marcada pela imagem de inovação e modernidade sempre aliada a tradição de sua história. 

Gosta dos Vinhos Verdes?

A diversidade dos Vinhos Verdes é em parte fruto das diferenças climáticas significativas encontradas na região norte de Portugal. Também contribui o conjunto de montanhas e vales cortados por rios. E, claro, a enorme variedade de uvas típicas. Tudo isso destaca a particularidade de cada uma das nove sub-regiões que compõem a Denominação de Origem dos Vinhos Verdes: Monção e Melgaço, Lima, Cávado, Ave, Basto, Sousa, Baião, Paiva e Amarante. A soma de todos estes fatores faz com que possamos encontrar vinhos de estilo clássico, jovens, leves e com baixo teor alcoólico, também outros sofisticados, com aromas e sabores complexos, intensos e minerais, austeros e com grande potencial de guarda.

Captura de Tela 2022-10-18 às 14.18.22.png
Captura de Tela 2022-10-18 às 15.03.53.png

A Masterclass foi orientada por Gustavo Giacchero Pádua, @gustavogiacchero embaixador dos Vinhos Verdes no Brasil. Versatilidade é o que se apresenta na taça.

Em números, a produção de vinho verde cresceu mais de três milhões de litros em 2021, mais especificamente 84,9 milhões de litros (2021), acima dos 81,8 milhões registados no ano anterior (aumento de 3,7%). Com exportação para 104 mercados, sendo o Brasil um dos mais importantes. Números que tendem a aumentar em 2022.

Captura de Tela 2022-10-18 às 15.19.14.png

Na sequência, um almoço com vários pratos estavam disponíveis para os participantes harmonizarem com os diversos estilos diferentes de vinhos. Alguns produtores estavam presentes para trocar informações sobre seus vinhos.

 

A diversidade dos Vinhos Verdes é em parte fruto das diferenças climáticas significativas lá encontradas. Também contribui o conjunto de montanhas e vales cortados por rios. E, claro, a enorme variedade de uvas típicas. Tudo isso destaca a particularidade de cada uma das nove sub-regiões que compõem a Denominação de Origem dos Vinhos Verdes: Monção e Melgaço, Lima, Cávado, Ave, Basto, Sousa, Baião, Paiva e Amarante. A soma de todos estes fatores faz com que possamos encontrar entre os rótulos da região desde Vinhos Verdes de estilo clássico, jovens, leves e com baixo teor alcoólico, a outros sofisticados, com aromas e sabores complexos, intensos e minerais, austeros e com grande potencial de guarda.

Captura de Tela 2022-10-18 às 15.19.14.png
Captura de Tela 2022-10-18 às 15.03.53.png
Captura de Tela 2022-10-18 às 14.18.59.png

A Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes é um organismo que tem por objetivo a representação dos interesses das profissões envolvidas na produção e comércio da Denominação de Origem (DO) «Vinho Verde» e da Indicação Geográfica (IG) «Minho» e a defesa do patrimônio regional e nacional que constitui, revestindo, nesta qualidade, a forma jurídica de uma Associação Regional, Pessoa Coletiva de Direito Privado e Utilidade Pública, e durará por tempo indeterminado.  Ela está creditada pelo Instituto Português de Acreditação (IPAC). 

Que tal um vinho verde na sua próxima taça? Fica a dica dos rótulos que aparecem nas imagens.

Solta o play e conheça na reportagem um pouco mais sobre os Vinhos Verdes.

Um brinde @vinhoverdeoficial e @vinhoverdewineexperience

Compartilhe com um amigo na redes sociais.

 

10-2022